.comment-link {margin-left:.6em;}

2012-08-01

 

Ser assessor do Governo, um grupo com privilégios

A minha experiência de muitos anos na Administração Pública diz-me que os assessores constituem um grupo obstrutivo do bom funcionamento do aparelho de Estado, seja o governo da cor que for. Há excepções como em tudo na vida. Uma pequena percentagem.

Raramente competentes, nada acrescentam, só intrigam. 

Há dois tipos de assessores, os oriundos das jotas e aqueles que já não encaixam em lugar nenhum, excederam o prazo de validade. Um ou outro escapa pela sua qualidade pessoal (bom senso) e pela qualidade de trabalho. São as excepções.  Normalmente não têm origem em nenhuma das áreas referidas. Não lhes chamaria assessores, são mais "consultores activos".

E são alguns destes que o governo presenteou com o subsídio de férias, à revelia de tudo o que decidiu para os trabalhadores da função pública, reformados e pensionistas.

O País ganhou imenso com estes incentivos aos ditos assessores, pois a sua improdutividade redobrou e certamente obtiveram do governo a caução para ainda mais intrigarem.

Neste contexto, a Tróika devia integrar uns "polícias" com plenos poderes de prender membros dos governos que não agissem de acordo com o que eles próprios decidiram. Eis um caso em que esses poderes deveriam ser exercidos.

Comments: Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?