.comment-link {margin-left:.6em;}

2005-01-12

 

O Paradoxo da Ditadura Democrática


Continua a discussão com o João Tunes e agora também com o Raimundo Narciso


A troca de impressões que vamos tendo com o João Tunes, do Água-Lisa - acho que não há ninguém na Blogosfera que não tenha já tido, com vantagem evidente, um pretexto de conversa com ele – levou, entre discussões sobre o que são as esquerdas e esta nova moda de «pedir» a Maioria Absoluta, antes de esclarecer satisfatoriamente por quê e para quê ela é pedida, aos sindicatos e às autarquias.


O João Tunes tocou, assim, deliberadamente em duas instâncias da vida política e social cujo potencial de participação é vastíssimo, (se comparadas com o Parlamento e o Governo), onde a pressão e exigência populares e democráticas são mais intensas e mais urgentes. Por tudo isso, a saturação e afastamento dos cidadãos das políticas autárquicas e sindicais, vai dando lugar a alarmes, conformismos, mas também a iniciativas que deixam entrever formas mais abrangentes e menos autoritárias de dar a vez e a voz aos que, crescentemente, não se contentam com essa treta indutora de passividade de serem apenas representados.

«Chega. Voltem cá para as próximas eleições e, se ainda se lembrarem, julguem-nos com o voto (isto se não estiverem já tão fartos e descrentes que nem já se dignem a votar em branco ou nulo...).»

De facto a vida – a vida política inclusive – não pára entre eleições. Os autarcas, tal como os dirigentes e outros activistas sindicais, têm de fazer frente e encontrar soluções ou, pelo menos, saídas, para situações prementes.


É assim que, frequentemente, eleitos locais e activistas sindicais se cruzam à porta do Governado Civil, em cada distrito, à entrada da Assembleia da República ou de um Ministério qualquer.


Mas o que se passa, de facto, nas nossas autarquias locais? Como é que o sistema político municipal acompanha, em termos funcionais, o fervilhar de crises e problemas que se multiplicam?

Clonagem sistémica – os Governos Locais imitam o Governo Central

Uma das maiores perversões do nosso sistema político (tema já aqui discutido no PUXA-PALAVRA) consiste na acentuação do estilo autoritário das lideranças partidárias após a formação do Governo. O chefe do Partido ganhador, que foi a votos na qualidade de «candidato a 1º ministro», passa a concentrar, em consequência da coordenação político-partidária e do resultado das eleições, uma tripla legitimadade: chefe do partido, chefe do governo e chefe da maioria. A maioria, partidariamente gerada, tende a conformar-se com as directivas partidárias respectivas, desvalorizando a função fiscalizadora do Parlamento e dificultando ou inviabilizando, mesmo, as iniciativas das oposições nesse sentido. É o paradoxo da «ditadura democrática» e aproxima-se, de certo modo, do lema cunhado por um dirigente do PPD já ido - Sá Carneiro - «Uma maioria, um Governo e um Presidente». Como quem diz: se podemos ter o poder - democrático - todo, porquê deixar algumas partes à mercê dos outros?

Nas Autarquias Locais, apesar do método de Hondt se aplicar também à composição da instância executiva - a Câmara Municipal - uma boa parte das Assembleias Municipais acaba por funcionar como «caixa de ressonância» do partido político do presidente que detém, geralmente, a maioria na Assembleia Municipal. Os deputados municipais, na maioria dos casos, não têm condições para exercer as suas competências fiscalizadoras; a compensação pecuniária é risível e o funcionamento dos serviços de apoio é parco ou inexistente.

O que é assombroso neste estado de coisas, não advém desta descrição sucinta e necessariamente incompleta atendendo à existência de mais de 300 municípios. O que mais impressiona é o aparente nacional conformismo que nos atingiu, apesar de incessantemente advertidos para o empobrecimento geral da cultura política que as práticas descritas implicam. Apesar disso, não mexemos uma palha para alterar a situação.


O dispositivo anti-bsolutista que o espírito da modernidade legou aos sistemas democráticos sob a forma do princípio da separação dos poderes é assim fintado pelos excessos partidocráticos. O caciquismo e o autoritarismo que ainda assombram a nossa cultura política sob a forma de arcaísmos regionais, ligados ao futebol, construção civil e outros interesses menos confessáveis, resistem, deste modo, ao estímulo e à inovação que a liberdade e o confronto democrático propiciam.

Como dizia o João Tunes em conversa anterior, a vida desenvolve-se na sua totalidade e diversidade, na dinâmica gregária, das incontáveis interacções do trabalho criador ao sonho e à generosidade solidária. A vida não cabe toda na política e, é claro, ainda menos no Parlamento, no Governo ou nos Tribunais. O nosso tempo tem outros ritmos e encantamentos que os discursos racionalistas (felizmente) mal vislumbram. Mas este «paradoxo da ditadura democrática», municipalmente clonado, havia de merecer um pouco mais do que estas estranhas formas de comprazimento, passividade e frustração.


Comments:
Eu a isto só posso dizer "vamos a isso". E, segundo penso, em duas vias: pressionar as direcções partidárias na denúncia dos malefícios da partidocracia, desenvolvendo iniciativas de cidadãos livres na quebra da inércia da clonagem de males que está instalada. João Tunes
 
Publicar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?