.comment-link {margin-left:.6em;}

2006-02-08

 

ISTO NÃO É O ISLÃO

Anaximandro, um leitor do Puxapalavra, enviou-me, com o título que coloquei no post, o indignado mail que a seguir reproduzo . Claro que está garantido o direito de resposta e portanto se aqui aparecer por estes dias o de SEXA o ministro, não se admirem.


"O Freitas despediu, com a maior arbitrariedade de que há memória desde o 25 de Abril, mais de 40 conselheiros e adidos do quadro técnico especializado do Ministério dos Negócios Estrangeiros. Não lhes concedeu os mais elementares direitos de defesa imediatos, como a audiência prévia. Pior ainda: através de mais uma flagrantíssima violação da lei, desrespeita o pré-aviso que ela própria impõe, reduzindo de 90 dias para 30 o início da eficácia do acto, eliminando dessa forma as hipóteses práticas de defesa em tempo útil. É certo que com esta violação ele se expõe ao ridículo e ao desprezo daqueles que mais tarde terão de a analisar e expõe o Estado a profundas responsabilidades futuras. É por estas e por outras que VPV, no seu blog, diz hoje que Freitas “nunca deixará de ser o menino exemplar do salazarismo e o discípulo dilecto de Marcello”. É certamente para acabar com “esta liberdade sem limites”, esta “liberdade” que se confunde com “licenciosidade” (My god onde é que eu já ouvi isto?), de que a defesa dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos é um triste exemplo, que Freitas se vai tornando paulatinamente um islamista. Mais uma vez ouço a voz de VPV “Salazar aprovaria o sentimento, mas não a ignorância”.
Como é possível que isto aconteça num Governo PS? Isto não é o Islão! É um Estado de Direito! O PS que não se deixe iludir com as tretas ditas a propósito da guerra do Iraque e de Bush (este retira os direitos de defesa àquelas pessoas que ele considera que” juridicamente não existem” – não são americanos, não são prisioneiros de guerra, nem sequer sabem onde estão presos; o Freitas retira os direitos de defesa, eu ia dizer aos seus concidadãos, mas como eu não quero ser concidadão do Freitas, terei de dizer as cidadãos portugueses). O PS que se cuide. Leia o Marcello do exílio e o Veríssimo Serrão!!!

Andorra, 7 de Fevereiro de 2006


Comments:
Ainda bem que Freitas despediu essa malta toda, a começar pela Maria Elisa.

O Estado está falido. Qualquer empresa falida tem o direito e o dever de se reestruturar. Ou seja, de despedir pessoal excedentário.

As leis de trabalho rígidas herdadas do 25 de Abril estão caducas, e não se adequam à realidade dos tempos atuais, competitivos e em que as empresas necessitam permanente adequação a novas realidades da concorrência.
 
O anónimo que comenta é um vulgar invejoso que, tal como o freitas, entende que acontenção orçamental retira aos administrados os direitos de defesa. E que sabe ele do que está a falar? Mas de empresas e de empresários portugueses eu sei. Nunca vi tanta incompetência e tanta exploração como na maior parte das empresas portugueses. Sempre e só a pedirem isenções de impostos e subsídios ao Estado. Ó anónimo se fosses mais competente serias menos invejoso. Estuda,pá.
 
Não tenho nada a ver com o assunto, mas não me parece correcto ver as funções do Estado, como a diplomacia, a justiça e outras, permanentemente atacadas por neo-liberais que apenas se querem livrar do Estado, melhor, de parte das suas funções para mais facilmente substituirem as leis do Estado pelas suas próprias leis.
Concordo que o Estado não seja refúgio de incompetentes, nem de boys. Mas, por falar em boys,que dizer do assessor de imprensa do Sr. Ministro Freitas do Amaral? Quantos anos e em quantas capitais viveu ele à custa do Estado, desde que o DR. Mário Soares o correu por motivos que nem nos blogs se devem pôr?
 
Publicar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?