.comment-link {margin-left:.6em;}

2005-08-12

 

Não venha que não vale a pena!





O Governo deve ser «contido» e «batalhador», opina o meu camarada de blogue João Abel. A seguir, desenvolvendo, explica o que entende por isso.
Porém, na Assembleia da República, perante a estranheza expressa por alguns deputados das oposições em não se ver o Primeiro-Ministro no terreno, para mostrar o empenho do Governo no acompanhamento da situação calamitosa que os incêndios florestais vieram ressuscitar, o Ministro António Costa assumiu a responsabilidade pelo facto de José Sócrates continuar de férias. Por duas vezes, disse o Ministro de Estado e da Administração Interna, o Primeiro-Ministro lhe perguntou se deveria interromper as férias e vir; por duas vezes António Costa lhe disse que não. E José Sócrates continuou de férias.

Temos, pois, um Governo cujo 1º Ministro se contém, continuando em férias, apesar das hesitações que um outro Ministro se apressou, aguerridamente, a debelar.

Na hora de batalhar, o Governo comporta-se de forma estranha.

Comments:
Olá Manolo. Achei piada ao teu escrito um bocado a arrepiar a santificação de tudo o que o governo fez, faz e há-de fazer. Mas acho que não foste muito longe na análise. Faltava-te dizer que quem manda na governação é o ministro Costa. Tás com medo de ofender alguem? Manolo, nunca me enganaste...

Edmiro
 
Sócrates fez bem em ouvir Costa e não suspender as férias. Sabe-se que é difiícil contar com os primeiros ministros nas horas más. Que propostas teria ele para estas questões que levaram o PS a atacar forte e feio os governos do Barroso e depois do Sr Lopes? Pensemos nisso e... oremos.

N.Pinochio
 
Publicar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?