.comment-link {margin-left:.6em;}

2008-05-12

 

Thatcherismo doméstico

Manuela Ferreira Leite (MFL) não consegue disfarçar o seu visceral autoritarismo, ainda que o tenha tentado arduamente nas últimas entrevistas. Quando as perguntas não lhe agradam, a pesporrência ensimesmada emerge. Tudo indica que pretende fazer a sua campanha para a presidência do PSD sem se comprometer com o quer que seja.

Devolver ao PSD a credibilidade perdida é o mote.

E daí para a frente, recusa-se a apontar medidas, prever cenários, apresentar um programa minimamente estruturado, fazer promessas.


Não confirma se votou, ou não, em Santana Lopes, quando Jorge Sampaio o demitiu, o que já levou Santana a bradar que é "inaceitável" (ver aqui); não reage mal quando a tratam por "Dama de Ferro" (modéstia Thatcheriana...); e desanca os entrevistadores que se põem com perguntas inconvenientes.


Rui Rio diz que não avançou para não tentar Menezes a regressar e concorrer outra vez (explicação democrática para os santinhos engulirem), e MFL sacrificou-se porque Rui Rio não avançou.


Por este andar, com mais ou menos cavalhadas e fanfarras, o PSD continua uma fractura adiada.


O que vem a seguir é que interessa.



PS

Entretanto, a proposta de Pacto endereçada por Pedro Passos Coelho aos restantes concorrentes à presidência do PSD (já aqui referida) parece ter passado despercebida a jornalistas e comentadores. Tanta condescendência deixa entrever de onde lhe vêm os apoios. Em geral, é a quem se quer bem que as fraquezas são perdoadas.


Comments:
Olhe que ela já disse que "sempre" votou no PSD. Não votou em Santana Lopes (tal como Cavaco Silva e outros parecem não tê-lo feito) mas votou no PSD.
E agora?
Em que ficamos?

Leonel Silva
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?