.comment-link {margin-left:.6em;}

2009-11-06

 

À Amizade



A Escola Secundária de Torres Vedras, ainda a vila não se julgava com a importância suficiente para reivindicar o estatuto de cidade, obrigava-se a levar quem a procurava - e lhe pagava uma prestação fora do alcance da maioria dos camponeses da região vinhateira - a adquirir luzes até ao 5º ano do liceu. Com os 4 anos da instrução primária, dos mestres-escola das aldeias, aí estava um top de 9 anos de ciência suficiente para o orgulho de qualquer jovem do Oeste de  então e janela de oportunidades para emprego num banco, por exemplo.
Mas quando o meu 5ºano prestou provas e deu notícia, após sucesso nos exames, em Lisboa, da existência de quorum para  inaugurar na Secundária o 3º ciclo dos liceus, os nossos professores, o Grilo na Matemática, o major Ângelo Ferrari, na Físico-Química e outros, organizaram-se e elevaram o patamar da docência ao 7º ano do liceu e o prestígio da pacata vila a alturas quase académicas.

Éramos só sete, cinco rapazes e duas raparigas. Dois anos depois seis ingressaram na universidade e um aventurou-se logo nos caminhos da vida profissional. Dois foram a professores universitários, um a professor do ensino secundário, dois a engenheiros e um,  com pretensões a reformador da humanidade, interrompeu o curso e meteu-se na política e a clandestino, e agora tenta não perder demasiado tempo a completar este post.
Caro leitor de blogs, esta primeira parte que acabo de lhe oferecer graciosamente  tem interesse mas dispensável porque o que interessa mesmo é o seguinte: esses cinco rapazes e duas raparigas de há cinquenta anos que têm opções culturais, políticas e religiosas diferentes, têm, quase todos, filhos e netos, encontram-se regularmente, há quase meio século num restaurante, num passeio ou num café e revelam, sem disso darem fé, que a amizade é algo que existe e é precioso.
Hoje voltámos a encontrar-nos. E ao regressar, encontrei-me, na buliçosa quietude do Metro, a meditar no que nos une e no que nos separa. E se o que nos separa: experiências de vida, preferências culturais, sensibilidades parece ser mais e o que nos une parece ser menos, forçoso é concluir que a diversidade pode ser um factor de aproximação e cimento de amizade.
A única coisa a lamentar é que não têm blog e cinco são mesmo, quase info-excluídos.
______________
Um dia depois reformulacrescentei o final.

Comments: Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?