.comment-link {margin-left:.6em;}

2011-02-21

 

Nada nesta terra se faz bem

De facto, Portugal é um País onde campeia a irresponsabilidade em grande.

Isto vem a propósito das anomalias surgidas nas escolas acabadas de requalificar da responsabilidade da Parque Escolar. Sete escolas em vinte têm problemas. Segundo a comunicação social de hoje ou é a ventilação ou o parqueamento ou os tectos que caem ou os estores colocados por fora ou o excesso de consumo de energia ou as canalizações, algo acusa anomalias.

O sector da construção é conhecido pela pouca qualidade. Mas parece ser grave a situação.

E isto aconteceria com este ou outro governo. Não é pois um problema de governo, mas societário.

É um problema da nossa sociedade que é grave, mas toda esta santa gente, ou seja ,os construtores sabem que nada lhes acontecerá.

Há de certeza um artigozinho no código por onde eles se safam e há sempre um advogado de renome para os defender.

Assim é este país.

Comments:
Caro João Abel de Freitas
A grande questão é a forma como são adjudicadas certas empreitadas.
Conhecem-se situações em que se criam empresas só para concorrer a certo tipo de empreitadas. Depois recorre-se à sub-empreitada sem qualidade para concluir as obras. Isto dava pano para mangas.
Claro que não é um problema do governo.É mais a incapacidade de se tomarem medidas para acabar com as adjudicações para os amigalhaços que aparecem sempre.
 
Só estou parcialmente de acordo. Há tudo isso. Mas há uma impunidade muito grande neste sector. Quem nunca fez uma obra em casa e aquilo sai tudo mal. É o espelho. E se nos levam mesmo com todos os cuidados havidos, como agir face à justiça.

Isto ou dá uma grande volta ou não vamos parar a lado nenhum a não ser ao empobrecimento que já está em curso.
João Abel de Freitas
 
Obras, adjudicações e Adm. Púb.

Para além do amiguismo, nepotismo, compadrio, corrupção, cartelismo, tráfico de influências e de informação privilegiada ... e da muita incompetência (e falhas graves e dolosas na defesa do interesse público)de políticos, mandantes, intermediários e executantes, há outros aspectos que se devem referir.

Os serviços públicos foram esvaziados de competências:
- pela 'moda' dos 'outsourcings' (dando tudo a fazer ao exterior ...);
- pela redução de funções e serviços (multiplicando os custos globais para o Estado mas agora desorçamentados ou escondidos em obras bens e serviços adjudicados ao exterior, em consultorias, pareceres, estudos, fiscalizações ... realizadas por institutos, empresas públicas e privadas... de ...);
- pelo 'empurrar' de técnicos capazes/experientes para a privada (muitos em acumulação legal e ilegal) ou para a reforma antecipada;
- e por não se fazer a passagem de 'know how' para uma nova geração de técnicos que os devia substituir gradualmente, mas que tal não aconteceu porque se congelaram promoções e aumentos decentes e se fecharam as entradas na Adm.Pública (com excepção para os muitos 'paraquedistas' que - por Nepotismo e 'boyismo' - vieram ocupar cargos/tachos 'concursados'/criados à medida e que ou não são verdadeiramente necessários ou para os quais não têm competência técnica).

Com estes factores... estão criadas as condições para os desmedidos aumentos de custos das obras públicas ou das parcerias público-privadas, e das sucessivas ''derrapagens'' de orçamentos e custo final das obras'' ... e a sua má qualidade ou menor interesse público, seja por :
- más opções técnico-políticas nas obras e projectos;
- mau financiamento (com garantias e empréstimos usurários);
- má elaboração de contratos e de cadernos de encargos (para além da incompetência deve juntar-se articulado desresponsabilizante e doloso para o Estado);
- má fiscalização e acompanhamento;
- má execução (com desresponsabilização em cadeia de empreitadas e subempreitadas) ;
- má justiça (por ser lenta, ineficiente, sem meios adequados, e permeável a muitos interesses de 'poderosos' ou 'intocáveis').

Ou seja: o (orçamento do) Estado tem servido para engordar bancos, grandes empresas e tubarões da política, da advocacia, dos gabinetes ... e outros mamões em cadeia (e que, aida por cima, se juntam em coro para bater na 'vaca' dizendo que o Estado tem de 'emagrecer'/'cortar na gordura'... nos trabalhadores).

Zé T.
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?