.comment-link {margin-left:.6em;}

2011-11-25

 

Um ensaio à grega

Ontem na escadaria da Assembleia da República assistiu-se a um curto ensaio à grega.

Não gostei de ver certas cenas bárbaras da polícia, designadamente da polícia não fardada.

Sei que faz parte das técnicas "duvidosas" de "por ordem" misturar com os manifestantes uns quantos (muitos) polícias especiais à civil. Foi o caso de ontem.

Não aprovo estas técnicas pois nunca se sabe se actuam para conter se a provocar.

Ontem foi o caso e foram estes que desencadearam as cenas mais escabrosas, que se viram nas televisões.

Também não simpatizei com a necessidade de demarcação das centrais sindicais. Penso que ninguém as associava aos factos ocorridos, a não ser o "especialista" general Garcia Leandro.

Comments:
Infelizmente não foi só o caso do dito "especialista". Na SicN o não menor "especialista" Ângelo Correia foi pelo mesmo caminho e até quem transmitiu em directo os desacatos e disse a verdade durante os directos, apareceu mais tarde com um texto editado onde subrrepticiamente se colava os sindicatos aos acontecimentos.

Se dúvidas restassem quanto ao aproveitamento, foi ver as perguntas capciosas dos jornalistas na conferência de imprensa das centrais, o que as obrigou a falar primeiro no assunto e a distanciar-se perante a insistência e a tentaiva de as juntar aos factos. Por isso houve necessidade de demarcação clara, ao mesmo tempo que pediram averiguações e falaram em provocaçãoes de infiltrados.
 
Eu sugiro outra via para perceber como os "confrontos" e os "actos de vandalismo" serevm às maravilhas a estratégia de diminuir o impacto da greve e de conduzir os cidadãos masi acríticos para discutirem o acessório esquecendo o essencial. Leia-se uma um os jornais ditos de reverência, DN e Pùblico e fica-se a saber a importância de não pactuar com actos que não servem os objectivos da greve.
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?