.comment-link {margin-left:.6em;}

2013-07-14

 

Os maus tratos da política

Uma rábula de humor. Não me foi possível scanarizar melhor o texto, mas mesmo assim parece-me dar para um curto sorriso amarelo sobre a gestão política deste país, se a falta de reforma ou reforma/cortes de rendimentos não fosse socialmente tão iníqua.


Comments:
http://luminaria.blogs.sapo.pt/

-----Aliança, frente ou coligação : para Eleições e políticas de Esquerda
Bloco propõe negociação a PS e PCP

João Semedo quer estabelecer as "bases programáticas de um Governo de esquerda" e no "mais curto espaço de tempo".

É a resposta do Bloco de Esquerda ao "pântano político" em que o País caiu. João Semedo faz, esta manhã, uma declaração em nome da comissão política do BE, em que apela a PS e PCP para a abertura de "um processo de discussão e aprovação das bases programáticas de um Governo de esquerda".

Depois de, ontem, o PCP ter convidado os bloquistas para negociações, a comissão política do BE responde com a proposta de negociações alargadas aos socialistas, salientando que "são precisas soluções urgentes e nenhum esforço deve ser poupado para conseguir uma resposta à crise nacional".

O convite dos comunistas mereceu um comentário do BE: "Registamos positivamente que a direcção do PCP tenha proposto a realização de uma reunião".

Sem "tempo a perder", o Bloco diz que as negociações devem fazer-se "sem condições prévias e no mais curto espaço de tempo". No entanto, o programa está já balizado: o Governo de esquerda deve "terminar a austeridade e o memorando", conseguir "a reestruturação da dívida" e "recuperar o rendimento perdido pelas pessoas".

O mote para a iniciativa bloquista foi dado com a atual situação política. "Portugal está a entrar na terceira semana de uma crise governamental e política sem solução à vista", diz João Semedo, para quem "este curso desastroso deve ser interrompido".

PS já aceitou o repto e marca reunião para hoje.

Agora, a Esquerda não pode recuar nem falhar. Não esquecer de aliar com PCP, BE, PS, os Verdes e os independentes que têm dinamizado o CDA/IAC - Congresso Democrático das Alternativas/ Iniciativa de Auditoria Cidadã à Dívida.

Mais importante que as naturais diferenças e divergências, é a absoluta necessidade de União para ter força para mudar as políticas deste fantoche desGoverno submisso a bangsters, troikas, 'mercados' e neoliberais destruidores da Democracia, da Liberdade, da Justiça, da economia, dos trabalhadores e cidadãos deste país.
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?