.comment-link {margin-left:.6em;}

2013-08-26

 

David Cameron quer invasão da Síria, já!

David Cameron interrompeu hoje as férias para exigir, em Londres, a intervenção militar na Síria, já. "Mesmo sem o acordo da ONU" chegando-lhe como prova da autoria da matança de 1300 civis, nos arredores de Damasco, com gás sarin, pelo governo Sírio, as certezas que W. Bush, Blair, Aznar e Durão Barroso tinham sobre as armas nucleares do Iraque. Posição próxima tem a França e a Alemanha coloca como questão prévia saber se foi de facto o regime sírio o autor da chacina.
O assassínato dos 1300 civis nas proximidades de Damasco, dos quais grande parte crianças, com o gás sarin tanto poderá ter sido cometido pelas autoridades de Damasco como por um qualquer dos grupos terroristas do fundamentalismo islâmico que atua ao lado dos oposicionistas, incluído a Al Qaeda, talvez, quem sabe, com a ajuda amiga de serviços secretos de Israel ou dos países do “Ocidente“ mais sensíveis aos "direitos humanos" .
Não poria as mãos no fogo por nenhum dos lados. O governo da Síria, o Irão, os xiitas, o Hezebolah, os alauitas, ou a Rússia tendem à priori a culpar os rebeldes pelo assassínio em massa do seus compatriotas. Pelo outro lado, os EUA, o Reino Unido, a França, a Turquia, Israel, a Arábia Saudita e outros países árabes sunitas, “sabem”, uns mais que outros, conforme os seus interesses, que foi o governo de Bashar a Al-Assad  a usar armas químicas. Do lado desta barricada está a maior parte da comunicação social a que temos acesso.

Ainda espero que a inspeção internacional ao local do crime apure a verdade, se é que consegue, se é que quer. Mas não estou otimista.
No entanto, para se chegar à mão dos criminosos um bom critério é o de saber a quem aproveita o crime e quanto a isto… vejamos:
Ainda que sem grande convicção os EUA, chamuscados no Iraque e no Afeganistão, avisam que o uso de armas químicas é o limite que transposto pelo governo de Damasco obrigará os EUA a intervir militarmente.
Neste quadro internacional atribuir o uso do gás sarin a Al - Assad, vem mesmo a calhar para os rebeldes pressionarem a intervenção do “Ocidente” no derrube do governo Sírio. Ser este a usar o gás sarin, numa tal orgia do horror, só poderia ser estupidez ou estado de necessidade face a forças militares inimigas à beira da vitória, o que não acontece, pelo contrário.
Notícias da Reuters (BEIRUTE, 24 Ago )dizem que “a TV estatal síria informou que soldados encontraram agentes químicos em túneis de rebeldes em um subúrbio de Damasco, neste sábado, e alguns soldados estavam "sufocando".
“… Um alto funcionário de desarmamento da ONU chegou a Damasco neste sábado para pressionar pelo acesso de inspetores ao local do ataque e os Estados Unidos estavam realinhando suas forças navais na região para dar ao presidente Barack Obama a opção de um ataque contra a Síria.
“Relatos da oposição síria apontam que entre 500 e mais de 1.000 civis foram mortos por gás colocado em munições lançadas por forças leais ao presidente Bashar al-Assad.”  (Link )
No entanto, já em Maio passado, a ex-Procuradora do Tribunal Penal Internacional e membro da comissão de inquérito da ONU sobre as violações dos Direitos Humanos na Síria, Carla del Ponte dissera numa entrevista à Rádio Suíça italiana que: "De acordo com as provas que recolhemos, os rebeldes utilizaram armas químicas, fazendo uso do gás sarin", na madrugada de hoje.”  (Link ).
O regime sírio está longe de pertencer ao grupo dos países árabes extremistas onde metade dos nacionais - as mulheres - vive em semi-escravidão e a democracia e a justiça é a da sharia. O regime autoritário  e corrupto sírio, onde as liberdades estão longe de estar garantidas, , está, no contexto do mundo árabe, entre os menos maus. É uma regime secular, laico, onde as diferentes religiões têm convivido em paz. Uma intervenção militar do Pentágono com o aplauso entusiasta do Sr Cameron visa tudo menos a instauração dos direitos humanos com cuja ausência convivem fraternalmente na Arábia Saudita e noutros países árabes “amigos”, e conduziria muito provavelmente a um regime mais ou menos confessional onde os democratas e os que lutam pela liberdade rapidamente seriam submersos pelo fundamentalismo islâmico, sunita ou xiita. 
Impõe-se, isso sim, o uso de todos os meios de pressão políticos não militares que conduzam a uma negociação com vistas a mais liberdade e mais democracia. No contexto do mundo árabe toda a prudência não é demais.
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­_____________________
Síria:  
Área: 185.000 Km2 (quase duas vezes Portugal).
População: 22.457.336 (2013). Árabes 90.3%, Kurdos, Armenios e outros 9.7%.
Idade média da população: 22,7 anos (Portugal 40,7)
Mortalidade infantil por 1000 nascimentos: 14,63 (Portugal 4,54, EUA 5,9)
Religião: Sunitas 74%, outros islamitas incluindo alauitas, druzos: 16%, Cristãos vários: 10%, Judeus: pequenas comunidades em Damasco, Al Qamishli, e Aleppo.
PIB per capita: 5.100 dólares, em 2011 (Portugal 23.800 dólares, em 2012)
Serviço militar obrigatório para os homens 18 meses a partir dos 18 anos. As mulheres podem prestar servico militar voluntário  [Link ]

Comments: Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?