.comment-link {margin-left:.6em;}

2004-12-23

 

Caderno Diário (1)

Portas de Brandenburg, Berlim. O que divide também aproxima.

Em primeiro lugar um abraço de gratidão ao João Tunes. A distribuição dos prémios do «Água Lisa» contempla o PUXAPALAVRA com um generoso «Prémio de Porcelana». Sentimo-nos com certeza lisonjeados (eu, pelo menos, sim) e tocados pela imaginativa dinamização da Blogosfera. Para além do prémio que nos coube (exaequo com numerosos companheiros virtuais) só havia mais três: um de ouro, outro de prata e outro, ainda, de bronze. Calhou-nos o mais frágil, sugestivo e análogo às loiças da alma. Sejamos nós, os do PUXA, merecedores de tal distinção. Ademais os outros eram só três enquanto nós somos alguns dezassete. Grande é a companhia, melhor há-de ser a travessia!

Em segundo lugar, uma resposta ao João Tunes acerca do que penso da Maioria Absoluta (MA) e da Maioria Relativa (MR) no actual contexto. Para nos poupar vou fingir-me lacónico.

Compacto de cinco reflexões acerca das maiorias

1 – Uma MA não se pede. Quem a pede, perde a grandeza que deve ter quem a ganha. É mais conquista do que dádiva.

2 – Uma MA, como já vimos, favorece o autismo embrionário em todas as organizações políticas. Providencia em operacionalidade o que retira em necessidade de dar atenção ao que vai mudando.

3 – Uma MR obriga a uma definição mais nítida. Com o grau de confiança que se recebeu do eleitorado, firmam-se os compromissos que forem necessários para a concretização de um conjunto de medidas.

4 – A elevação crítica dos eleitores tenderá provavelmente à constituição de constelações de apoio mutáveis em função das causas. O tempo dos catch-all-parties é um tempo triste e, desejo-o de boa mente, em vias de extinção.

5 – Com MA ou com MR, o PS terá de governar. Enquanto os lobbies uivam sob o espectro do Bloco Central, vamos pondo as cartas na mesa, falando claro e colocando condições. Se desta vez a esperança voltar a falhar, que não seja por falta de participação.

Comments:
Com MA ou MR o problema do PS é uma falta recorrente de coordenação e organização que permita fazer chegar as opiniões e contribuições de cada um.
Admito que este é um problema complicado, mas se fosse fácil qualquer um o faria.
As Novas Fronteiras, como os estados gerais seriam uma excelente oportunidade de organizar este fluxo.
O que parece estar a acontecer é ser apenas um titulo bonito e mediatico para reuniões das elites do costume antes da chegada ao poder.
Para ser eficaz devia manter-se para alem das eleições permitindo fazer chegar as contribuições de cada um "lá acima".
Infelizmente parece que vai ser pior do que Estados Gerais pois só vai durar dois meses e depois fecha, pois a partir daí tem de se ser solidário com os problemas dos "camaradas" no poder.
 
_________________________________________________

Sugiro que use uma identificação (mesmo fictícia) para podermos «humanizar» a forma de tratamento.
Estou de acordo com o cerne do comentário anterior. Primeiro porque assistimos à afirmação de uma corrente dentro do PS segundo a qual o tempo dos «independentes» já passou (Carrilho, entre outros, teorizou prodigamente sobre isso); depois, porque muitos dos apoiantes da actual liderança se opuseram à realização de novos Estados Gerais, com esse ou outro nome, alegando que uma tal iniciativa não se coadunava com o contexto de então. Alguns fizeram-no, inclusivamente, aqui neste Blog. Assiste-se, assim, no PS, a uma pulsão anacrónica análoga aos saltos em frente dos tempos do slogan «Só, só, só PS». Curiosamente, tais sintomas de fechamento e de indisponibilidade para a discussão de matérias incómodas vieram a par da consigna da MA como único cenário admissível.
Não são apenas as forças políticas em perda de influência que evitam a discussão quando os temas não lhes convêm...
Apraz-me acrescentar, como nota positiva, que vi ontém o Luis Filipe Pereira, na SIC - Notícias a reformular cautelosamente a questão dos resíduos, evitando referir-se expressamente aos RIP. Pareceu-me mais equilibrado e mais próximo das declarações de há uns dias atrás, antes da absolutização co-incineradora. Nem tudo vai para pior...
 
O meu voto é na... maioria relativa!
Portanto...
Olha, desejo-te um grande Natal na companhia de todos e obrigado por tudo.
Para a semana cá nos encontramos.
 
O meu nome (do 1o post) passa a ser Ron Kovic. ;-)
 
1-Porquê ? Estamos a falar de votos. Nas eleições pedimos às pessoas para votarem em nós. Lá por ser "dado" também pode ser "conquistado" em simultaneo.
2-Como exemplificado no 2º mandato do Guterres o autismo embrionário das organizações existe mesmo sem MA. Como não consigo "medir" se a "operacionalidade" aumenta mais ou menos do que a diminuição da "atenção ao que vai mudando", sinto-me tentado em dizer que como o PS sempre teve MR poderiamos fazer a experiência para ver se dá melhor resultado.
3-Os compromissos fazem-me sempre lembrar aquela "do que é um camelo ?" : um cavalo desenhado por um comité.
4-O que é uma catch-all-partie ?
5-Qual participação ? Este blog ? As Novas Fronteiras ? Os acessores do Socrates ? !.
----
Tu és a esperança, a madrugada.
Nasceste nas tardes de setembro,
quando a luz é perfeita e mais dourada,
e há uma fonte crescendo no silêncio
da boca mais sombria e mais fechada.

Para ti criei palavras sem sentido,
inventei brumas, lagos densos,
e deixei no ar braços suspensos
ao encontro da luz que anda contigo.

Tu és a esperança onde deponho
meus versos que não podem ser mais nada.
Esperança minha, onde meus olhos bebem,
fundo, como quem bebe a madrugada.
-----
 
____________________________________________

Comecemos pela 2ª parte do comentário de Lester Burnham. Gosto do poema. Entra, de súbito, num registo inesperado mas, apesar disso, resiste. Os textos de boa qualidade são assim. Resistem a tudo...

Quanto à 1ª parte do comentário, parece-me que (1) a acção política orientada para persuadir as pessoas a votarem em nós - «pedir votos» - não é o mesmo que pedir a MA. Uma coisa é convencer as pessoas de que merecemos que confiem em nós; outra é convencer um eleitorado a dar-nos uma MA. No primeiro caso dirijo-me a pessoas; no segundo caso, exprimo um desiderato. MA, MR ou minoria são obviamente uma consequência; são uma soma de resultados. Não são directamente atingíveis. Na prática, uma MA, tal como uma MR ou uma minoria, é um suplemento retórico à boca das urnas. Vota-se numa força política porque ela o merece (mesmo que seja por vingança contra quem traiu a nossa confiança) e não porque estejamos seguros de que ela vai obter uma MA ou uma MR. Utilizando os termos do comentário: admito a expressão «pedir o voto», porque é algo que nos pode ser confiado; nenhum cidadão eleitor está no entanto em condições de nos «dar» ou garantir a MA. Costuma ser a aspiração das organizações democráticas ter mais votos (quantosa mais melhor). Fixar a fasquia acima da MR, requer um merecimento cuja avaliação é mais aconselhável deixar ao escrutínio dos eleitores.
(2) A minha opinião é de que a MA exacerba aquilo a que chamei o autismo embrionário. É verdade que o autismo político não carece de MA para se agravar, mas parece-me que a circunstância de uma força politica não depender de ninguém para aprovar o que quer que seja, no caso do nosso sistema e cultura políticos, é remédio santo.
(3) ... e todavia não há política sem compromisso, sem negociação, sem entendimento, dentro e fora dos partidos políticos. Respeitando o exemplo humorístico dado, teremos mesmo de ir de camelo...
(4) Um catchall party é um partido interclassista, que dilui os propósitos ideológicos para poder captar o maior número de votos possível. Relativiza o que é diferente para poder dar a impressão de que defende os interesses de todos, - pobres e ricos, empregados e desempregados, integrados e excluídos, pequenos e grandes empresários, interior e litoral, etc. Na prática isso nunca foi possível, mas quanto aos partidos que pretendem recolher tudo a qualquer custo, sim, existem.
(5) Sim, todas essas formas de participação mailas outras a que cada um chega ou pode chegar: cooperativas, sindicatos, associações de diversos jaezes, conversas de rua, de café, artigos de jornal, de... sei lá. Há tanto mundo entre o Sol e Saturno...
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?