.comment-link {margin-left:.6em;}

2008-02-08

 

O Jogo e as regras (2)

António José Seguro invocou o estatuto de objector de consciência para contornar a disciplina que o obrigava, como membro do Grupo Parlamentar do PS, a votar a ratificação do Tratado de Lisboa no Parlamento. Segundo as notícias, Seguro e Pedro Nuno Santos, líder da JS, teriam sido os únicos a dar voz às suas discordâncias, de entre os 7 (sete) que votaram vencidos na reunião da Comissão Nacional do mês passado.

A exiguidade do número dos que entenderam que uma promessa eleitoral deve ser respeitada, surpreende, apesar de tudo. Porém é nestes momentos, contra a adversidade e a claudicação de tantos dirigentes nacionais, que as opções corajosas e decentes fazem a diferença.

Raramente tão poucos quiseram respeitar a promessa de tantos.

Quando voltarmos ao combate incontornável por uma Europa sem receio do escrutínio dos cidadãos, já sabemos com quem podemos contar.

Os restantes, provavelmente, partilham o receio dos seus chefes. Para os lados do Largo do Rato, parece que cumprir uma promessa eleitoral passou a ser um excesso democrático. Preferem pensar que é possível construir a Europa contra os cidadãos, ou apesar deles...

Saliente-se que Manuel Alegre, altaneiro e tonitruante, ficou a meio caminho. Assistiu-lhe, mais uma vez, o direito de se abster. Dá prova de grande clareza de ideais e de uma determinação sui generis: canta alto mas não passa da praia.

Imaginem os povos a votar o tratado.

Que horror!


Comments:
António José Seguro, quando era bastante mais novo, enervava-me assaz por parecer então ter a "idade" que tem hoje. Agora tudo está mais certo. Infelizmente, pelo menos para ele, as sucessivas marés que têm levado estes e aqueles ao poder no PS, ultimamente não lhe tê sido muito favoráveis. Este episódio vem revelar que a "culpa" tem certamente sido dele e que isso só abona em seu favor.
Quanto ao Manuel Alegre, a minha "defesa" é ter-me já habituado à ideia de que quando canto Manuel Alegre, estou de facto a cantar "um outro"...

Abraço
 
Pelo menos alguém no PS seja contra os políticos irresponsáveis que prometem sem pensar no que estão a fazer.

Mais uma vez, o PM quebrou uma promessa eleitoral.

É preciso ser coerente nas palavras e actos.

Os políticos têm que se responsabilizar pelas suas palavras e em particular pelas suas promessas. Se não é para cumprir, não prometam.

Penso que o Dr. António José Seguro queria apenas que o seu partido, no governo, devia cumprir com a sua palavra.

O populismo do PM que prometeu em campanha eleitoral realizar um referendo para a aprovação do Tratado Constitucional. Mudaram-lhe uns pontos, deram-lhe um nome diferente mas tem exactamente os mesmos objectivos e já não se faz o referendo. É outro, diz o PM (!!!!).

Penso que 99,98% dos portugueses não sabe, mas o que está em causa é mais uma falha de uma promessa eleitoral (não Demagógica!!!).
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?