.comment-link {margin-left:.6em;}

2011-05-24

 

Paul Krugman no NYT: é inevitável a reestruturação das dívidas

"Está agora claro que a Grécia, a Irlanda e Portugal não poderão – e não irão – reembolsar as suas dívidas na totalidade, se bem que Espanha talvez possa consegui-lo"

É Paul Krugman que o afirma, no passado domingo, no NYT, reproduzido no El País e resumido no Jornal de Negócios. Krugman não podia ser mais contundente para com as políticas erradas e os "programas de austeridade selvajem" que a UE (leia-se Alemanha) para proteger os créditos dos bancos alemães está a impor à Grécia, à Irlanda e a Portugal. Em sua opinião estes programas das troicas vão agravar a crise nestes países e arriscam tornar a Europa no epicentro de nova crise financeira. Considera ainda inevitável a reestruturação das dívidas com o não pagamento de parte delas.

Krugman (via Jornal de Negócios ou El País): " Por un lado, Alemania está adoptando una posición dura contra nada que se parezca a una ayuda a sus vecinos con problemas, a pesar de que una motivación importante para el actual programa de rescate fue el intento de proteger a los bancos alemanes de las pérdidas." ...
"Por desgracia, el hada [a fada] de la confianza [dos mercados] sigue negándose a hacer acto de presencia. Y la disputa sobre cómo manejar la incómoda realidad amenaza con convertir a Europa en el epicentro de una nueva crisis financiera."
..."A isto juntou-se a declaração de que se a Grécia procurar um alívio da dívida, o BCE desligará a ficha do sistema bancário grego, que é crucialmente dependente desses empréstimos”,
...
Se os bancos gregos forem à falência, isso poderá muito bem obrigar a Grécia a sair da Zona Euro – e é muito fácil de ver como é que isso poderia dar início a um efeito dominó em grande parte da Europa.Assim sendo, no que anda o BCE a pensar?” Intuio que simplemente não está disposto a afrontar o fracasso das sus fantasías." "Y si esto suena muy estúpido, bueno, ¿quién dijo que la sabiduría gobierna el mundo?"
Paul Krugman es profesor de economía en Princeton y premio Nobel de 2008. © The New York Times, 2011.

Etiquetas: ,


Comments: Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?