.comment-link {margin-left:.6em;}

2011-09-14

 

O (des) comportamento do Dr. Alberto João Jardim

O Dr. Alberto João Jardim não é uma pessoa recomendável em termos de comportamento político.

A sua "língua" não tem limites. Pensa que pode, com palavras de baixo nível, ofender tudo e todos. Mas a realidade é outra. Quem se sai mal na fotografia é quem tem usualmente comportamentos indignos.

Isto vem a propósito das palavras menos próprias com que ontem procurou atingir o Dr. Silva Lopes.

Conheço bem o Dr. Silva Lopes, como Homem e como Economista. Tenho o maior apreço nos dois campos.

Tive/tenho muito gosto em ter sido o responsável pela revista "Economia & Prospectiva" que dedicou a edição de Julho/Dezembro de 2000 ao tema "Economias de Pequena Dimensão e Isoladas" cujo sumário para melhor esclarecimento se insere.

Como se vê pelo sumário trata-se de um número da revista em que participaram pessoas de um leque político e técnico alargado.

Porque razão invoco este número?

Exactamente, porque tratou um tema que muito tem a ver com a Madeira e com as RUP's com participação do responsável das RUP na UE, das Canárias, Açores e Madeira, incluindo um Secretário Regional do Governo de então de Alberto João Jardim, o Dr. Pereira de Gouveia.

Neste número de há 11 anos atrás, o Dr. Silva Lopes e o Dr. Miguel Beleza em artigo conjunto abordaram "as finanças públicas das Regiões Autónomas" que o Nicolau Santos fez referência, no último Expresso da meia noite.

Nesse artigo conjunto, Silva Lopes e Miguel Beleza explanam a situação das finanças públicas regionais centrando-se nas questões da transparência, da autonomia financeira das regiões, da solidariedade nacional e sobre os custos financeiros das autonomias, concluindo do seguinte modo:

" O que foi exposto não significa que não se justifica elevadas transferências financeiras do Continente para as regiões dos Açores e da Madeira. O que se procurou pôr em destaque foi que:

  • os montantes, a natureza e as aplicações dessas transferências (implícitas e explícitas) devem ser claramente conhecidos;
  • as transferências devem servir, fundamentalmente, para compensar custos de insularidade e para estimular o desenvolvimento económico das regiões beneficiadas, isso implica que devem ser afectadas, na base de regras de atribuição bem definidas, a programas específicos que sejam considerados de grande interesse para atingir aqueles objectivos e não para financiar estratégias de poder político ou administrações regionais pletóricas e pouco produtivas. 12 de Dezembro de 2000"
Sobre este artigo que anteviu alguns dos problemas com que se hoje se confronta a Madeira, o Dr. Alberto João Jardim reagiu dizendo que "os economistas da linha não percebiam nada" do assunto.
(Clicar sobre sumário para ampliar)

Etiquetas: , ,


Comments:
Sou do Porto e tenho de sustentar as bebedeiras de Alberto João e Jaime Ramos?
Que país de merda é este?
Têm impostos mais baixos, têm subsídios para a electricidade pagos pelo governo de Passos Coelho, subsídios de saúde pagos por Passos Coelho, todos os impostos cobrados na Madeira ficam lá. Alberto João só nos ofende e como contribuinte apesar de não pagar muito porque não ganho muito, tenho de pagar para custear os desvarios de Alberto João que até nem servem a pop+ulação da Madeira?
Portugal não precisa da Madeira para nada. É masoquismo puro ter uma "puta rica". Que se lixe a política.
 
Todods os políticos de estes 36 anos são a explicação para nos lembrarmos diariamente de doutor oliveira salazar.

puta que pariu o azar!
 
O que importa é o seu eleitorado e clientelas e com 35% do emprego da população activa
e com 25% dependente das obras do estado dos fornecimentos ao estado ou aos subsídios sociais

mais os pensionistas

oviamente já vos ganhou....
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?