.comment-link {margin-left:.6em;}

2010-04-26

 

António Barreto, a educação e a justiça (1)

Ontem, o DN publicou o Discurso Directo (DD) com António Barreto (AB).

Vou reproduzir aqui o que disse AB da educação e da justiça, porque entendo que as suas reflexões feitas são deveras importantes. Constituem uma boa base para pensar estes dois sistemas que são estrangulamentos determinantes do progresso deste País.

Para António Barreto é "no sistema educativo e na justiça" que se centram as suas maiores críticas quando olha para a sociedade portuguesa. Transcrevendo as reflexões sobre a educação:

DD - Concretamente, em relação à educação, o que tem a dizer?

AB - Em relação à educação, o que está no haver é a universalização. Todas as crianças, todos os jovens vão à escola, a escolarização é completa, a rede escolar cobre o País inteiro, toda a gente tem acesso à educação e à escola, não há barreiras definitivas. O apoio social é considerável, não é muito grande, mas é considerável, há bolsas de estudo, até mesmo para o ensino secundário e ainda mais no ensino superior. Isto é o que está no haver, está conseguido. Parece um lugar-comum, que é uma coisa simples. Não é. Para Portugal, não é. Portugal puxou o analfabetismo e a falta de educação até muito tarde, só nos finais nos anos 60, meados, nos finais dos anos 60, ainda no regime antigo, é que começou a haver qualquer coisa no sentido de estimular, fomentar a educação. Recordo que o programa do eng. Veiga Simão, quando foi ministro do Marcelo Caetano, era democratizar a educação. A democratização da educação começou ali. Mas, foi depois do 25 de Abril que as coisas atingiram a dimensão que atingiram. O que está no deve? Que os princípios inspiradores - a teoria geral, a estratégia, a organização filosófica, cultural e política da educação - deram errado. As modas efémeras, as modas pedagógicas, a inversão de tantas funções... o facto de hoje se dizer em Portugal - e creio que noutros países, não é um facto só português - "o importante são as competências, não é saber". Isto a meu ver é um erro. Há quem diga que é mais importante uma pessoa saber ler o horário do comboio ou a bula do medicamento do que ler Camões ou Platão. Isto é um erro. A democracia cultural e da educação é dar a toda a gente Platão, Aristóteles, Camões , seja o que for. Isso é saber. Substituir por competências é um erro. Dizer que na sala de aula são todos iguais, professores e alunos, é outro erro. Dizer que aprender é um prazer e não um trabalho e um esforço é outro erro. Estes princípios - dizer que a sala de aula é um sítio de aprendizagem, não um sítio de ensino - são outro erro. São estas inversões nos princípios que presidem à educação que a meu ver deram errado. E deram errado, vejam-se os resultados.
(Os negritos são meus)

Etiquetas: , ,


Comments:
Fui professora 38 anos, tive o privilégio de estar envolvida nos dois anos experimentais, "criados" por Veiga Simão, após a conclusão do então chamado 2º ano do 2º ciclo, anos esses que funcionaram em algumas escolas preparatórias.
Tivemos larga e profunda formação, foi uma lufada de ar fresco para professores e alunos.
O pior é que a partir daí nunca mais se acabaram as experiências e nunca mais tivemos conclusões orientadoras para as nossas práticas.
Nas aulas, perante o desagrado de alguma tarefa, costumava dizer aos alunos que eu não estava ali para concorrer a um concurso de Misse Simpatia...
Se gostassem do que estavam a fazer, tanto melhor, se não gostassem teriam que se esforçar mais.
Sem trabalho, sem esforço não se atingiam os resultados desejados!
Acho que A.B. sabe do que fala...
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?