.comment-link {margin-left:.6em;}

2011-08-03

 

Europa, vítima da sua incompetência

"Os mercados" estão agora a virar-se para desacreditar países da União de maior dimensão e peso económico e político. Até agora Grécia, Irlanda e Portugal eram apenas cerca de 7,4% do PIB da Zona Euro. Com a Espanha e a Itália na mira, a história é outra. Começa o edifício a tremer.

A reacção de Espanha, de Itália e de Durão Barroso vai pelo mesmo caminho. O ataque dos "mercados" não faz sentido. Não há razões para este ataque. ... blá, blá blá.

O problema é que faz. Esses ditos "mercados"- capital financeiro, sobretudo americano - conhecem bem que a Europa não tem, de facto, instituídos mecanismos agilizados de defesa. E se atacar dá lucro e do forte porque não o fazer. É a sua função.

Hoje, a Europa está a ser a principal vítima de uma crise desencadeada nos EUA em 2008, a tal ponto que até o euro está a periclitar.

E não há razões económicas para isso, até porque a Europa no seu conjunto não apresenta grandes desequilíbrios. Mas de nada serve esta constatação.

Na realidade, a Europa não tem nem um sobreendividamento das famílias nem desequilíbrios externos que se comparem à situação real da economia dos EUA. Nem em termos de dívida pública.

A Europa até podia estar a superar esta crise de forma folgada, sem grandes problemas.

E não é o que está a acontecer. A Europa derrapa por todos os lados.

Porquê?

Porque deixou ir na água do banho uma das razões fortes da sua criação: a solidariedade entre países.

Há países de facto com problemas mas a Europa foi deixando andar e ainda não se entendeu no ataque à crise. Não criou mecanismos financeiros de defesa.

Para sair da crise é preciso que os países membros aceitem de uma vez por todas a necessidade evidente de pôr em comum mais dinheiro e mais poderes de decisão. Neste contexto, apesar dos tratados terem armadilhado a constituição rápida de novos mecanismos, há que superar essas restrições: perante uma crise há que ser ágil, há que romper.

Começa a ser demasiado claro que nenhum país por si só vai conseguir resolver a sua crise. Grécia, Portugal, Irlanda não vão poder pagar a dívida. E Espanha, Itália e outros se estiverem muito tempo debaixo dos holofotes dos ditos "mercados" acontecer-lhes-à a mesmíssima coisa.

O risco de não agir de forma solidária, pode ser a destruição.


Etiquetas: , ,


Comments:
Há um outro campo importantíssimo. A Europa se é um espaço agregador de países deve ter um modelo de desenvolvimento agregador. O que tem acontecido não é nada disso. Há um modelo imposto pelos grandes economias e que interessa só essas, com predomínio para a Alemanha. A integração europeia é exactamente o contrário.
A.C
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?